Mineral de origem vegetal é melhor absorvido pelo organismo

Alimentação balanceada é o que as pessoas buscam quando o assunto é o cuidado com a saúde. Mas, será que encontramos todos os nutrientes necessários nos alimentos? Nem sempre. Com o empobrecimento dos solos, as frutas, verduras e legumes chegam à mesa do brasileiro sem a quantidade nutricional e mineral necessária para a saúde.

Um estudo realizado pelo Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) revelou que um desses minerais, o cálcio de origem vegetal, tem maior poder de absorção (86,7%) em comparação com fontes de origem mineral como a Dolomita (69,7%) e animal como o cálcio de ostra (27,4%).

Segundo Jorge Jamili, médico geriatra e especialista em medicina preventiva da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, a suplementação de minerais contribui para manter os níveis nutricionais normais de acordo com que o corpo necessita que, muitas vezes, não é suprido somente com a alimentação. Um dos motivos que contribuem para este cenário é o aumento do consumo de alimentos industrializados ricos em açúcares, gorduras e pobres em vitaminas, minerais e fibras.

Embora mais eficiente para a reposição do cálcio pelo organismo, este mineral ainda traz algumas dúvidas. A seguir algumas delas:

1. O organismo absorve cálcio somente na infância – Mito

O cálcio deve ser reposto ao longo de toda a vida para manter os ossos fortes. Além disso, o cálcio tem papel de destaque em outras funções vitais, como as batidas do coração. O brasileiro ingere em média 450 mg de cálcio diariamente, o que é menos da metade da recomendação de consumo, 1.000 mg/dia.

2. Existem várias fontes de cálcio – Verdade

Sim. As fontes de cálcio podem ser de origem animal, sintética e vegetal. Esta última extraída de algas marinhas. Uma novidade para a reposição deste elemento pelo organismo. Segundo pesquisa realizada pelo Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o cálcio de origem vegetal tem maior poder de absorção (86,7%) em comparação com as fontes de origem mineral (69,7%) e animal (27,4%).

3. Somente as pessoas mais velhas devem repor o cálcio – Mito

O cálcio é um nutriente vital e desempenha diversos papéis no organismo como atuar nas contrações musculares, na transmissão de impulsos nervosos e constituição dos ossos. Quase todos os ossos do esqueleto (90%) são formados até os 20 anos de idade e, na fase adulta, a formação de massa óssea se estabiliza.

4. Tomar sol ajuda na absorção do cálcio – Verdade

Embora a exposição exagerada ao sol seja prejudicial, criar o hábito de aproveitá-lo moderadamente é considerado saudável. O hábito, associado a uma vida equilibrada, ajuda na prevenção da osteopenia (diminuição da densidade óssea), pois a exposição aos raios ultravioleta favorece a formação de vitamina D – essencial para o melhor aproveitamento do cálcio ingerido. Mas atenção vale a recomendação do uso de protetor solar e aproveitar o sol antes das 10h00 e após as 16h00.

5. Não preciso do cálcio para ter uma boa saúde – Mito

O Cálcio exerce duas funções fisiológicas essenciais: transmitir mensagens no interior das células e conferir dureza e resistência à estrutura óssea. Como sua eliminação pela urina, fezes e suor é inevitável, a ingestão de quantidades insuficientes por períodos prolongados pode afetar as funções do organismo.

6. Mulheres perdem cálcio mais facilmente do que os homens – Verdade

Principalmente na menopausa, pois as mudanças hormonais como o estrógeno, que é um protetor natural dos ossos. Nas fases anteriores à menopausa, a mulher tem certa vantagem em relação aos homens nos quesitos cardiovascular, pele e ossos. Mas, quando entra na menopausa, o nível de estrógeno reduz e a mulher perde esta proteção natural. Com isso, as células responsáveis pela destruição óssea predominam sobre as células formadoras dos ossos e o desgaste acontece de forma mais rápida. Por isso a importância da reposição contínua de cálcio.

7. Homens e mulheres precisam da mesma quantidade de cálcio – Mito

Para mulheres de 19 a 50 anos e homens de 19 a70, a dose diária recomendada é de 1.000 mg/dia. Mulheres com mais de 50 anos e homens acima de 70 requerem 1.200 mg/dia. O consumo do cálcio pode acontecer por meio de suplementos como o cálcio de origem vegetal que oferece maior poder de absorção pelo organismo, assim como por uma alimentação composta pelo mineral como: sardinha, laranja, semente de gergelim, salsa, rúcula, linhaça, manjericão, grão de bico, soja, brócolis e amêndoas. Quando os alimentos não estão disponíveis, cabe a reposição do cálcio por meio de suplementos minerais.

A vida que vem do mar

Encontrada no litoral brasileiro, a Alga Calcárea (Lithothamnium) – fonte do BioVitalithy – é um organismo vivo que absorve do fundo do mar os minerais disponíveis na água e transforma em elementos fisiologicamente compatíveis para as necessidades do corpo humano. Os minerais podem ser encontrarmos nos oceanos, rios, lagos, solo, abaixo da superfície da terra e em raízes de árvores e plantas.

Essa mesma alga também é muito utilizada para tornar a água potável para a produção em indústrias de cosméticos, de nutrição animal, de alimentos e suplementos. Outra particularidade é o uso na agricultura para a produção de fertilizantes, pois a alga corrige a acidez do solo, equilibrando o PH e melhorando a assimilação dos elementos e na reposição do cálcio para a terra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *