Para quem precisa reduzir alguns quilinhos, os minerais podem ser aliados no processo de reeducação alimentar e no melhor desempenho físico. Principalmente se a opção for pelos minerais orgânicos presentes em algas calcárias cuja absorção é superior a 86% quando comparados aos minerais sintéticos.

Segundo o geriada Jorge Jamili, especialista em medicina preventiva da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, “a obesidade oferece riscos à saúde principalmente pela ingestão de alimentos pobres em minerais essenciais ao organismo”. “Por isso, além da reeducação alimentar, é importante incluir na dieta, minerais orgânicos que ajudem na redução de peso”, recomenda o médico.

Entre as fontes de vitaminas e minerais que auxiliam na redução e manutenção do peso, estão os minerais marinhos absorvidos pelas algas calcárias, a alga Lithothamnium. Ela é composta por biominerais, sendo considerada a fonte mineral mais biodisponível encontrada em todos os mares. Ao absorverem os minerais presentes no mar, elas transformam os componentes químicos em compostos de fácil absorção pelo organismo.

A principal função desses minerais é a formação de enzimas, que funcionam como catalizadores orgânicos nas trocas químicas das células. Por isso, são vitais para a sobrevivência das células. Entre os mais 50 minerais presentes nas algas calcárias estão o cálcio, magnésio, ferro, fósforo, sódio, potássio, iodo e o cloro. Também está presente nesta alga, o zinco que contribui com a regulação do apetite e da insulina, além de colaborar com o aumento da imunidade. Magnésio e potássio diminuem os níveis de colesterol na corrente sanguínea, reduzindo as chances de obstrução de vasos e artérias pelo excesso de gordura. No caso do cálcio, este mineral também auxilia a regulação da termogênese e o cobre participa da produção da hemoglobina e compõe as enzimas da respiração celular, o que contribui com a perda de peso.

Outros fatores para a obesidade

O mau funcionamento da tireoide pode ser um dos fatores do ganho de peso e, além da consulta ao médico, é importante ingerir alimentos e suplementos orgânicos que contenham iodo afim de regular o funcionamento da glândula. Para auxiliar o organismo durante os exercícios físicos, a ingestão de magnésio é uma opção, pois esse mineral é essencial para o funcionamento dos nervos e músculos. Já o potássio age com o sódio no equilíbrio de líquidos do organismo e influencia na contração muscular e na atividade dos nervos. No caso do cromo e do enxofre, estes elementos são importantes para o equilíbrio do metabolismo energético.

Micronutrientes auxiliam na redução de peso

Segundo um estudo publicado na Revista Brasileira de Epidemiologia (http://goo.gl/iktNIg), sobre a relação entre consumo de micronutrientes e excesso de peso, a deficiência no consumo de micronutrientes é um problema de saúde global, atingindo cerca de 2 bilhões de pessoas, e parece se associar com maior risco de doenças incluindo a obesidade. A baixa ingestão de vitamina A, por exemplo, favorece o excesso de peso por alteração no metabolismo da tireóide, enquanto a vitamina C se relaciona à síntese de carnitina e oxidação da gordura; e a vitamina D favorece o controle da saciedade e do gasto energético. A conclusão do estudo sugere que a promoção de hábitos alimentares saudáveis por meio de práticas educativas se faz necessária para maior conscientização da população acerca das implicações do consumo de micronutrientes no estado nutricional, devendo compor as estratégias de Saúde Pública de controle da obesidade e suas complicações.

Minerais que ajudam na perda de peso

Zinco
– Contribui com o ganho de massa magra
– Melhora a função imune
– Facilita a redução de peso
– Melhora a ação da insulina

Selênio
– Melhora o trabalho do fígado na eliminação de toxinas
– Auxilia na eliminação de metais pesados como mercúrio e cádmio

Manganês
– Contribui com a manutenção da estrutura óssea saudável
– Ajuda na absorção de cálcio, bom funcionamento da tireóide
– Controle do nível de açúcar no sangue
– Controle do metabolismo de gorduras e carboidratos

Cálcio
– Previne a absorção e aumenta a excreção de gorduras

Magnésio
– Forma sais com as gorduras no intestino reduzindo o conteúdo de energia absorvível
– Contribui com a função da insulina, auxiliando no controle da obesidade

Zinco
– Regula o apetite
– Contribui com o metabolismo da tireoide
– Auxilia no aumento e manutenção do sistema imunológico

A vida que vem do mar

A suplementação de minerais à base de algas marinhas é um aliado da saúde. Os minerais são substâncias inorgânicas que não podem ser produzidas pelos seres vivos e a falta destes componentes podem gerar desequilíbrios. Encontrada no litoral brasileiro, a alga Calcárea (Lithothamnium) – fonte da suplementação de minerais à base de algas marinhas – é um organismo vivo que absorve do fundo do mar os minerais disponíveis na água e transforma em elementos fisiologicamente compatíveis para as necessidades do corpo humano. A Lithothamnium é composta por carbonatos de cálcio e de magnésio sob a forma de cristais de calcita e mais 20 oligoelementos, presentes em quantidades variáveis, principalmente: Ferro, Manganês, Boro, Níquel, Cobre, Zinco, Molibdênio, Selênio e Estrôncio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *